Lote 35
Carregando...

Tipo:
Esculturas

PADRE CÍCERO - Escultura artesanal em madeira com assinatura na base. Medida altura 25 cm.BIOGRAFIA DO MESTRE NOZAConhecido como Mestre Noza, Inocêncio Medeiros da Costa ou Inocêncio da Costa Nick, como ele dizia chamar-se, afirmando pertencer a essa família, nasceu em Taquaritinga do Norte, Pernambuco, provavelmente em setembro de 1897, uma vez que há controvérsias sobre a data do seu nascimento.Mudou-se para Juazeiro do Norte, no Ceará, em 1912, aonde chegou como romeiro, após caminhar cerca de 600km, desde o município de Quipapá, PE, local onde foi criado.Exerceu diversas atividades, entre as quais a de soldado de polícia, funcionário da estrada de ferro Rede Viação Cearense, funileiro.A partir de 1930, tornou-se conhecido como artista popular, imaginário (escultor de imagens) e xilogravurista. Sua primeira escultura foi um São Sebastião e sua primeira xilogravura, uma capa de literatura de cordel encomendada por José Bernardo da Silva para ilustrar o folheto de José Pacheco, a propaganda de um matuto com um balaio de maxixe.Entre as décadas de 1960 e 1970, foi membro do juizado de menores do Cine Eldorado, em Juazeiro, órgão que lhe possibilitou conseguir uma aposentadoria. Recebia também gratificações da Prefeitura de Juazeiro e do Governo do Estado do Ceará.No seu ateliê, localizado em um pequeno sobrado na Rua Santo Antonio, 265, em Juazeiro do Norte, Mestre Noza trabalhava com duas moças chamadas Zefa (Josefa Francisca da Silva) e Loura (Íris Dália Medeiros) que o auxiliavam na confecção das imagens e também no artesanato de cabos de revólver em madeira.Aproveitando a idéia de um amigo, resolveu esculpir uma imagem do Padre Cícero. Segundo ele, levou a peça para apreciação do próprio Padre, que achou graça e perguntou: Eu sou assim?. A partir daí fez milhares de imagens do Padim Cícero, por encomenda. Só para um comerciante do mercado de Juazeiro disse ter feito mais de duas mil imagens.O tamanho de suas esculturas varia de 15cm até 70cm. Usava preferencialmente a madeira da imburana (árvore comum na região de caatinga) e seus instrumentos de trabalho resumiam-se em canivetes, serras, machadinhas, formões, limas e duas furadeiras.Contava muitas histórias e uma delas é que por pouco não havia entrado para o bando de Lampião, numa de suas passagens pela cidade. Não o fez por medo do que pudesse acontecer com o seu futuro, mas chegou a tomar umacervejinha junto com o pessoal de Virgolino Ferreira da Silva.Em 1963, Sérvulo Esmeraldo, um artista do Crato, lhe deu uma série de gravuras da Via Sacra e lhe encomendou as matrizes em madeira. Ficou muito satisfeito com o resultado do trabalho de Mestre Noza e resolveu levá-las para a França, numa viagem que fez em 1965. Conseguiu produzir uma edição especial, com apenas 22 exemplares impressos à mão e lançá-la em Paris. Osucesso foi tanto que foi feita uma nova edição de mil exemplares, que também se esgotou rapidamente.A partir daí, as encomendas para o Mestre Noza aumentaram muito e o artista passou a ser objeto de estudo em várias universidades, inclusive europeias.Participou de diversas exposições com obras de escultura e xilogravura no Crato, no Recife, no Rio de Janeiro e em Paris.É autor também de alguns rótulos de cachaça e foi sempre considerado o grande artista popular do Cariri.Suas obras mais conhecidas são a Via Sacra, uma coleção de 15 gravuras, cuja primeira edição foi publicada em Paris (1965), pelo editor Robert Morel, com apresentação de Sérvulo Esmeraldo; Os doze apóstolos (13 pranchas) e A vida de Lampião (22 pranchas).É autor de inúmeras xilogravuras para ilustrar capas de folhetos de cordel, além de milhares de estatuetas do Padre Cícero e de diversos santos, espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Segundo ele, em matéria de imagens, além do Padre Cícero, gostava muito de fazer as de São Francisco e Santo Antônio.Doente, Mestre Noza foi morar em São Paulo, onde faleceu no dia 21 de dezembro de 1983, vítima de uma parada cárdio-respiratória.

Peça

Visitas: 96

Tipo: Esculturas

PADRE CÍCERO - Escultura artesanal em madeira com assinatura na base. Medida altura 25 cm.BIOGRAFIA DO MESTRE NOZAConhecido como Mestre Noza, Inocêncio Medeiros da Costa ou Inocêncio da Costa Nick, como ele dizia chamar-se, afirmando pertencer a essa família, nasceu em Taquaritinga do Norte, Pernambuco, provavelmente em setembro de 1897, uma vez que há controvérsias sobre a data do seu nascimento.Mudou-se para Juazeiro do Norte, no Ceará, em 1912, aonde chegou como romeiro, após caminhar cerca de 600km, desde o município de Quipapá, PE, local onde foi criado.Exerceu diversas atividades, entre as quais a de soldado de polícia, funcionário da estrada de ferro Rede Viação Cearense, funileiro.A partir de 1930, tornou-se conhecido como artista popular, imaginário (escultor de imagens) e xilogravurista. Sua primeira escultura foi um São Sebastião e sua primeira xilogravura, uma capa de literatura de cordel encomendada por José Bernardo da Silva para ilustrar o folheto de José Pacheco, a propaganda de um matuto com um balaio de maxixe.Entre as décadas de 1960 e 1970, foi membro do juizado de menores do Cine Eldorado, em Juazeiro, órgão que lhe possibilitou conseguir uma aposentadoria. Recebia também gratificações da Prefeitura de Juazeiro e do Governo do Estado do Ceará.No seu ateliê, localizado em um pequeno sobrado na Rua Santo Antonio, 265, em Juazeiro do Norte, Mestre Noza trabalhava com duas moças chamadas Zefa (Josefa Francisca da Silva) e Loura (Íris Dália Medeiros) que o auxiliavam na confecção das imagens e também no artesanato de cabos de revólver em madeira.Aproveitando a idéia de um amigo, resolveu esculpir uma imagem do Padre Cícero. Segundo ele, levou a peça para apreciação do próprio Padre, que achou graça e perguntou: Eu sou assim?. A partir daí fez milhares de imagens do Padim Cícero, por encomenda. Só para um comerciante do mercado de Juazeiro disse ter feito mais de duas mil imagens.O tamanho de suas esculturas varia de 15cm até 70cm. Usava preferencialmente a madeira da imburana (árvore comum na região de caatinga) e seus instrumentos de trabalho resumiam-se em canivetes, serras, machadinhas, formões, limas e duas furadeiras.Contava muitas histórias e uma delas é que por pouco não havia entrado para o bando de Lampião, numa de suas passagens pela cidade. Não o fez por medo do que pudesse acontecer com o seu futuro, mas chegou a tomar umacervejinha junto com o pessoal de Virgolino Ferreira da Silva.Em 1963, Sérvulo Esmeraldo, um artista do Crato, lhe deu uma série de gravuras da Via Sacra e lhe encomendou as matrizes em madeira. Ficou muito satisfeito com o resultado do trabalho de Mestre Noza e resolveu levá-las para a França, numa viagem que fez em 1965. Conseguiu produzir uma edição especial, com apenas 22 exemplares impressos à mão e lançá-la em Paris. Osucesso foi tanto que foi feita uma nova edição de mil exemplares, que também se esgotou rapidamente.A partir daí, as encomendas para o Mestre Noza aumentaram muito e o artista passou a ser objeto de estudo em várias universidades, inclusive europeias.Participou de diversas exposições com obras de escultura e xilogravura no Crato, no Recife, no Rio de Janeiro e em Paris.É autor também de alguns rótulos de cachaça e foi sempre considerado o grande artista popular do Cariri.Suas obras mais conhecidas são a Via Sacra, uma coleção de 15 gravuras, cuja primeira edição foi publicada em Paris (1965), pelo editor Robert Morel, com apresentação de Sérvulo Esmeraldo; Os doze apóstolos (13 pranchas) e A vida de Lampião (22 pranchas).É autor de inúmeras xilogravuras para ilustrar capas de folhetos de cordel, além de milhares de estatuetas do Padre Cícero e de diversos santos, espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Segundo ele, em matéria de imagens, além do Padre Cícero, gostava muito de fazer as de São Francisco e Santo Antônio.Doente, Mestre Noza foi morar em São Paulo, onde faleceu no dia 21 de dezembro de 1983, vítima de uma parada cárdio-respiratória.

Informações

Lance

    • 3 lance(s)

    • R$ 310.00

  • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª - As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente espertizadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª - Em caso eventual de engano na espertizagem de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitida qualquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª - As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª - O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª - Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª - Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catálogo.

    7ª - Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª - O Leiloeiro colocará a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª - O Leiloeiro se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª - Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª - O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª - Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª - As peças adquiridas deverão ser pagas IMPRETERIVELMENTE em até 72 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª - O descumprimento destas condições pelo arrematante resultará na impossibilidade do mesmo alegar qualquer fim de direito, ficando eleito o foro do estado de São Paulo; Comarca da Capital, para dirimir qualquer incidente alusivo à arrematação.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    Pagamento à vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%. Através de depósito ou transferência bancária no prazo de 72 horas após o encerramento do leilão. A confirmação de pagamento se dará somente após o envio do comprovante juntamente com o número da cartela. Não aceitamos cartões de crédito, débito e cheque.

  • FRETE E ENVIO

    Despachamos via correios para clientes de todo o Brasil. Todas as obras ou objetos que ultrapassarem a medida de envio dos correios deverão ser retiradas em nosso endereço ou através de uma transportadora. Sugerimos que peças frágeis sejam retiradas pessoalmente ou por transportadora especializada e no caso de impossibilidade, que seja solicitado embalagens especiais para evitar a quebra dos mesmos durante o transporte (custo por conta do arrematante). As despesas com retirada e remessa dos lotes, bem como a contratação de embalagens especiais e cotação de valores de transportadoras são de responsabilidade dos arrematantes. Não nos responsabilizamos por eventuais perdas ou danos.